CONTATO: valter.roberta.padulla@gmail.com

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

POVOADO DE TOCONAO – Deserto de Atacama

6º dia de viagem – (Continuação..) San Pedro de Atacama. 

Após conhecermos as Lagoas irmãs Miñiques e Miscante, retornamos para a estrada rumo ao povoado de TOCONAO.



INFORMAÇÕES IMPORTANTES:

Preço do passeio: Este passeio está incluído no mesmo pacote da Lagoa Chaxa e Reserva Nacional dos Flamingos, Socaire e as lagunas altiplanicas, que foi o valor de PCL 20.000 por pessoa, com almoço incluso, é continuação do mesmo passeio da postagem anterior)

Agência: MAXIM EXPERIENCE, que recomendamos pelo excelente guia JAIME LASCANO.

No caminho, paramos na beirada da estrada para nosso guia Jaime colher um pouco de Rica-rica (acantholippia), uma planta que segundo ele, ao esfregar com força entre as mão e posteriormente cheirá-la (posicionando as mãos como um inalador natural), atua melhorando o mal estar causado pela grande altitude. Também pode ser utilizado com emulsão e inalar o vapor. Pena que só soubemos disso na volta do passeio da altura de 4.200m. Esta planta também pode ser utilizada para dor de barriga.

Descrição da Imagem: Nosso guia colhendo rica-rica, para conhecermos

Descrição de Imagem: Rica-rica



POVOADO DE TOCONAO

Chegamos em Toconao, altitude de 2.475m e com uma população com cerca de 500 habitantes. Muita da construção local utiliza pedra vulcânica chamada de liparita



VÍDEO DE NOSSA VISITA AO POVOADO DE TOCONAO
Para assistir ao vídeo, clique na imagem acima



Descemos da van e nos reunimos na praça para ouvirmos um pouco sobre a história do local.

Descrição de Imagens: casas em Toconao


A Igreja de San Lucas é a segunda igreja mais antiga de todo o Chile. Esta que vemos não é a original, pois foi derrubada por um terremoto chileno, prova desta reconstrução é a marcação na parte superior da entrada principal da igreja que data de 1938.

Descrição de Imagem: Igreja de San Lucas em Toconao

Descrição de Imagem: Placa na parte superior da entrada principal indicando a reconstrução em 1938


Alguns detalhes na arquitetura da Igreja de San Lucas:
- Parede do lado direito, está inclinada para fora, resultado de um dos terremotos;




- Na porta de entrada da igreja, existe ao lado direito uma figura de lhama (povo atacamenho) e do lado esquerdo de um burrinho (colonizador espanhol), sincretismo.

Descrição de Imagem: Porta principal da igreja de San Lucas e as figuras do burro e da lhama, nas laterais


O Campanário data do século 17. A madeira utilizada é de um tipo de cactus e amarrada com couro de lhama. Mantém a estrutura básica original.

Descrição de imagem: Campanário de Toconao


Descrição de Imagem: Valter na porta do Campanário feito de madeira de cactus


Uma curiosidade é do posicionamento do Campanário em relação a igreja. 


Normalmente ele se localiza ao lado da igreja e este está posicionado a frente, significando um sincretismo popular e religioso. 


A explicação está que quando os espanhóis chegaram aqui, num pequeno grupo, encontraram uma população com cerca de 5 mil pessoas indígenas. Tiveram que aplicar um estratégia para controlar o povo deste lugar, separando os pais foram para um loca, as mães para outro local e as crianças para um terceiro local, separando as famílias, formando as comunidades: San Pedro de Atacama, Toconao e Socaire. Foi uma maneira utilizada para se evitar que não houvesse nenhuma rebelião, pois caso alguma das partes tentasse algo, eles ameaçariam maltratar as outras partes, exemplo: se os pais quisessem se rebelar, teriam as mães e os filhos. Este foi o processo de conquista dos espanhóis aqui no norte do Chile.

No século 17 começam lentamente a batizá-los com nomes espanhóis, juntamente com o ingresso da religião católica e consequentemente as construções das igrejas, que eram realizadas por mão de obra indígena, mas secretamente, os índios atacamenhos iam colocando detalhes com significados para seu povo e assim ocorrendo o sincretismo.

A igreja representa a mulher e o campanário o homem, então, em Tocoano o Campanário se localiza a frente da igreja para protegê-la. Os filhos somos nós, pois quando adentramos a igreja representamos a fecundidade e desta forma eles representam a união novamente das famílias.

Descrição de imagem: Campanário em frente a Igreja em Toconao


Os espanhóis ensinaram os índios a pintarem e a maneira que eles iam aprendendo a pintar iam inserindo elementos ocultos, como uma ave, uma planta, ocorrendo assim um sincretismo também nas artes e desta forma os espanhóis não se davam conta que ali também estava exposto algo da cultura atacamenha.

Descrição de Imagem: quadro existente dentro da igreja de San Lucas em Toconao, expressando o sincretismo

terça-feira, 17 de agosto de 2010

LAGUNAS ALTIPLÂNICAS – Deserto de Atacama


6º dia de viagem – (Continuação..) San Pedro de Atacama. 

Saímos do povoado de Socaire e percorremos uma estrada sinuosa de subida rumo as Lagoas irmãs Miñiques e Miscante.

INFORMAÇÕES IMPORTANTES:

Preço do passeio: O passeio está incluído no mesmo pacote da Lagoa Chaxa e Reserva Nacional dos Flamingos, Socaire, que foi o valor de PCL 20.000 por pessoa, com almoço incluso, é continuação do mesmo passeio da postagem anterior)

Agência: MAXIM EXPERIENCE, que recomendamos pelo excelente guia JAIME LASCANO.

 LAGUNAS ALTIPLÂNICAS – MIÑIQUES E MISCANTE

Jaime, nosso guia da empresa Maxim Experience (San Pedro de Atacama), nos explicou que as Lagunas Altiplânicas estão localizadas a 4.200 metros de altura em relação ao nível do mar e integram a Reserva Nacional dos Flamingos (Reserva Nacional Los Flamencos). 



 Descrição de Imagem: Beta na entrada do setor das Lagunas, com muito frio...


VÍDEO DE NOSSA VISITA AS LOGUNAS ALTIPLÂNICAS

Clique na imagem acima para assistir ao vídeo

A região fica situada a 110 Km ao sul de San Pedro de Atacama e a 28 Km ao sudeste do povoado de Socaire. 

Descrição de Imagem: Placa na entrada das Lagunas Altiplânicas que indica que este trecho pertence a Reserva Nacional dos Flamingos

Ao chegarmos ao local, fomos aconselhados  caminhar lentamente, sem pressa e que fora da van a temperatura é muito fria e com muito vento.

Descrição de Imagem: Nando caminhando em direção a Laguna Miñiques

Fomos à cabine de entrada do Parque das Lagunas, onde compramos nossos bilhetes de entrada, que custou PCL 2.500 (R$ 8,61) cada um, por sermos adultos, pois o preço varia de acordo com a classificação de idade.

Descrição da Imagem: Valter comprando os ingressos para a Laguna


Descrição de Imagem: tabela de preço de ingresso ao local das lagoas

OBSERVAÇÃO: Não é um lugar indicado para se visitar para quem tem pressão alta, por motivo da grande altitude, acabam se sentindo mal. Isso aconteceu com a Roberta, que por motivo de sua pressão e por recomendação médica de evitar grandes esforços físicos, permaneceu na van durante todo este trajeto do passeio, apenas curtindo pela janela a beleza paradisíaca do local. 
Outra informação importante é que nos locais de grande altitude, não utilizar remédios a base de aspirina, pois pode causar hemorragia. O ideal é medicamento a base de paracetamol.

Foi nos orientado para que não saíssemos dos caminhos que estão determinados, pois é proibido devido a ser um sítio arqueológico, existindo uma lei nacional que protege estes lugares.

Valter e Fernando caminharam nas trilhas que margeiam a Laguna, observando de perto cada detalhe da paisagem, motivo que valia a pena para compensar o forte frio e vento que sentiam. Isso sem falar na dificuldade para se respirar, devido à grande altitude.

Descrição de Imagem: Valter caminhando e ao fundo a Laguna Miñiques
Ao contrário da Roberta que por problemas com pressão alta, preferiu permanecer dentro da van, pois cada pequeno esforço que fizesse, o batimento cardíaco aumentaria e a pressão arterial idem.

Descrição de Imagem: Beta curtindo o passeio pela janela da van, ao fundo a Laguna Miñiques

Nosso guia explicou que o que formou esta região geograficamente foi o glaciar, que empurrou montanha, abrindo um buraco em forma de fiorde e quando ocorreu o degelo formou a laguna e quando o vulcão entrou em erupção dividiu em duas lagunas, a Miñiques fica a 5 metros acima da Miscanti.


Descrição da Imagem: Nando ouvindo a explicação de nosso guia Jaime (abaixado), sobre a origem desta região.

A cor branca em torno da laguna é sal de origem vulcânica, sal mineral.

Laguna Miñiques:
Superfície: 15 Km²
Altura: 4.200 metros
Características: Recebe água da infiltração subterrânea das chuvas, de vertentes termais, das chuvas de verão. No inverno é possível observar sua superfície quase toda congelada.

Descrição de Imagem: ao fundo Laguna Miñiques
Descrição de Imagem: Laguna Miñiques (Foto montagem by Moretti Padulla)

Todos retornaram a van para a cerca de 1km a frente, chegar a Laguma Miscanti.

No caminho para a Laguna Miscanti, avistamos uma vicunha ao longe, pastando

Descrição de Imagem: Vicunha pastando próxima a Laguna Miscanti

A vicunha (Vicugna vicugna) é o menor membro vivo da família dos camelos (Camelidae). Habita de 3.000 a 4.600 metros acima do nível do mar, no elevado platô andino na região central e sul do Peru, oeste da Bolívia, norte do Chile e noroeste da Argentina, especificamente na puna, uma estepe elevada, desértica e desprovida de árvores, localizada acima da zona de lavouras cultivadas. Sua pelagem é constituída da lã da melhor qualidade que se conhece, a qual é valorizada e utilizada pelo homem desde a era pré-colombiana. Esta lã a protege do extremo frio e dos fortes ventos da puna e serve como um acolchoado para o corpo quando descansa no chão.


Laguna Miscanti:
Superfície: 1,5 Km²
Altura: 4.195 metros
Características: recebe água subterrânea de sua vizinha Miñiques.

Descrição de Imagem: Laguna Miscanti (Foto montagem by Moretti Padulla)


A cor dessas lagoas é maravilhosa, chamam de “Azul Atacama”, pois chegam perto de um tom azul-marinho único.

Olhando a nossa volta, nos leva a refletir, com temos diversidade neste mundo de Deus! Como tudo isso é lindo! Vale realmente à pena conhecer.


POSTAGENS REFERENTES A ESSA VIAGEM AO DESERTO DE ATACAMA:

1.    VIAGEM DE ÔNIBUS AO DESERTO DE ATACAMA



terça-feira, 10 de agosto de 2010

POVO DE SOCAIRE – SALAR DE ATACAMA

6º dia de viagem – (Continuação..) San Pedro de Atacama. 



INFORMAÇÕES IMPORTANTES:



Preço do passeio: O passeio está incluído no mesmo pacote da Lagoa Chaxa e Reserva Nacional dos Flamingos que foi o valor de PCL 20.000 por pessoa, com almoço incluso, é continuação do mesmo passeio da postagem anterior)


Agência: MAXIM EXPERIENCE, que recomendamos pelo excelente guia JAIME LASCANO.

Após visita à Reserva Nacional dos Flamingos e na Lagoa Chaxa, retornamos a estrada e nossa próxima parada foi no POVOADO DE SOCAIRE



Descrever Imagem: Socaire

Descrição de Imagem: Igreja histórica de Socaire e suas terraças de cultivo
SOCAIRE = “quebrada de vento”.




VÍDEO DE NOSSA VISITA AO POVO DE SOCAIRE

Clique na imagem acima para assistir ao vídeo


Nosso guia Jaime nos explicou que de 3 a 4 mil anos atrás, viviam nesta zona cerca de 4 a 5 mil pessoas, de culturas indígenas e que praticavam a agricultura, os atacamenhos. 

Aqui, no norte do Chile, conhecemos a cultura atacamenha, que é a principal deste lugar. Os atacamenhos chegaram a este lugar por volta  de 12 mil anos atrás. Depois veio outra cultura, que chamamos de tiahuanaco provém da Bolívia e se mescla com a cultura atacamamenha.

Paramos num local que foi nos mostrado as "terraças de cultivo", que normalmente nos vem à memória são do povo Inca. Mas os Incas aqui no Chile só viveram cerca de 55 anos, pouco tempo em consideração a quantidade de terraça de cultivo que podemos perceber aqui.

Descrição de Imagem: Terraças de cultivo de Socaire
 
Jaime nos levou a uma viagem no tempo para entendermos como estas pessoas chegaram realmente a este lugar, o que achamos maravilhoso!
 
Este povo atacamenho migrou da Venezuela, Equador, Colombia, norte do Brasil, reservas entre Peru e Bolívia e estas pessoas passaram por detrás da Cordilheira dos Andes, chegaram a zona da Argentina, contornando a Cordilheira e não subindo, porque ela é um cordão montanhoso muito largo e estamos falando de uma época de período glacial, período este que agora não existe, que começou o glaciamento a cerca de 12 mil anos atrás e com a modificação de temperatura, que começa a cair, ocorrendo a migração natural, baixando das regiões altas até chegarem ao Salar de Atacama.
 
O Salar de Atacama não era um Salar era um imenso lago chamado “Atchcamar”, na língua rudimentar atacamenha, que significa “Pássaro de cor negra”, depois, com a chegada dos espanhóis, que tinham dificuldade em pronunciar esta palavra, acabou ficando “atacama”. Estas muitas pessoas viviam dentro desta laguna, em um Oasis, onde haviam muitas aves e grande quantidade de camelidios, guanacos, vicunhas, lhamas, que formaram a fauna desta zona, e estes animais conseguiam viver no clima desta época. Este é um resumo da história dos atacamenhos.
 
Um estudioso físico-matemático Melankovitch, em sua teoria dos ciclos, explica os períodos glaciários e os períodos interglaciários. Vivemos num período interglaciário. Disse também que a Terra não realiza seu trajeto em volta do sol de forma circular, mas elíptica. E que a Terra está inclinada em seu eixo e gira em seu eixo. Existindo 4 períodos em que a Terra se inclina mais 3 graus e acontece a era glacial: 1º período de 1.000 anos, 2º período de 41.000 anos, 3º período de 22.000 anos e 4º período entre 11 e 12.000 anos (Plioceno /holoceno) este é o período que estamos vivendo agora, significa que a Terra se inclinou 3 graus e quando gira em volta do sol e permanece mais perto, modifica-se o clima mais intensamente tanto para alta, quanto para baixa. Mas pelo Aquecimento Global mundial, causado por nós, estamos acelerando esta mudança climática e segundo Melankovitch, estamos nos aproximando da nova era de glaciamento.



Jaime nos explica também que estas pessoas, pela modificação climática que ocorreu na Terra, migraram abandonando as terraças de cultivo das regiões mais altas dos Andes, para as terras de Salar de Atacama.
 
Um fato importante, conhecemos o povo Inca como administrador, como um Império Romano, eles conquistavam um povo e somente tomava a administração do local, não interferiam nem no idioma e nem sequer na religião. O mesmo ocorria com os Incas.
 
A terraça de cultivo dos Incas eram realizadas por meio de inundação, já as terraças aqui existentes, os tiahuanaco utilizavam outro sistema, que se chama "ERA", este sistema se constituía de canais de irrigação pelo contorno da terraça. Colocavam as sementes na parte central da terraça e elas absorviam a água que passava ao lado e assim sobreviviviam e germinavam. Nesta região estamos a 3.200 metros do nível do mar a uma temperatura extrema, chegando abaixo de zero, isso significa que se utilizassem terraças inundadas, as plantas morreriam congeladas. Por este motivo utilizavam este sistema ERA, de irrigação pelo costal da terraça, permitindo que as sementes sobrevivessem a baixa temperatura e a água por sua vez, por estar em movimento, não se congelava. Esta mescla de cultura é a mais antiga de toda a América.

Descrição de Imagem: Sistema ERA de irrigação, com canaletas laterias das terraças de cultivo
 
O plantio era de milho, batata, quinoa, vegetais que sobrevivem a baixa temperatura. Uma planta quando sofre um stress de temperatura extrema absorve nutrientes rapidamente e com isso, acreditam que também produzem maior quantidade de açucares e por este motivo as frutas cultivadas no Salar de são muito doces.
 
A igreja foi construída na época dos espanhóis, que acreditavam que desta forma estariam abençoando a agricultura realizada naquela área.

Descrição da Imagem: Campanário de Socaire

Descrição de Imagem: Igreja de Socaire

Almoçamos aqui em Socaire mesmo, uma comida muito gostosa! Primeiramente Jaime nos perguntou quem era vegetariano,pois teríamos frango no prato principal. Como Valter não gosta muito de frango ensopado e não tinhamos informação de que forma ele seria preparado, ele optou pela versão vegetariana, que trocou o frango pela palta (abacate) e tomate.

Descrição de Imagem: Restaurante em Socaire, mais rústico impossível

Descrição de Imagem: Prato de entrada - caldo de legumes, quentinho e saboroso

Descrição de Imagem: prato principal vegetariano, arroz, quinoa, tomate e "palta" (= abacate)

Descrição de Imagem: Prato principal normal - arroz, quinoa e Pollo (= frango)
Descrição de Imagem: Valter e Nando satisfeitos depois de um almoço nutritivo desse



Com a chegada dos espanhóis em 1542, começam a conquista, juntamente com as construções das igrejas e também inicia o ensino da língua espanhola e da religião católica. Com isso também construíram várias escolas. O ensino era tão rígido, que alguns indígenas eram golpeados quando resistiam aos ensinamentos impostos pelos espanhóis.



Aqui temos as ruínas de uma dessas escolas.


Descrição de Imagem: Rupinas de uma escola do tempo da colonização espanhola, em Socaire



Com a chegada da religião católica, os espanhóis começam a batizar os indígenas dessa zona com nomes espanhóis: Pedro, Juan, Luiz.



Inicia-se nesta época o sincretismo espanhol/atacamenho, mas iremos abordar este assunto quando chegarmos no povoado de Toconao.


Retornamos a van e após rodarmos um pouco mais, Jaime estacionou para nos explicar sobre o sistema de controle da água, utilizado pelos atacamenhos.



Nos mostrou a esquerda da estrada umas rochas formando um zig-zag, significa que desta maneira controlavam a água, pois ela descia com bastante força e chocava-se em uma parede de pedra e após outra e desta forma ia perdendo a força e podiam controlar o fluxo de água para levá-la as terraças de plantio. Hoje utilizam o sistema que os Incas ensinaram, de comportas.

Descrição de Imagem: resto das paredes de rocha para conter a água, utilizado pelos atacamenhos a muitos anos atrás

Descrição da Imagem: a água era utilizada para irrigar as terraças de cultivo que vemos nesta foto

Retornamos a estrada e mais alguns quilômetros nos chama a atenção muitas terraças de cultivo abandonadas. Jaime nos pede para imaginar cerca de 4 mil pessoas, trabalhando nelas, crianças, jovens, adultos. Depois com os anos, com a chegada dos Incas, por volta de 1460, e tomaram toda esta zona e os produtos aqui cultivados: fruta, legumes, eram levados para a cidade de Cuzco, no Peru.
Descrição de Imagem: terraças de cultivo abandonadas

Descrição de Imagem: Terraças de cultivo abandonadas


Observamos que por todo o caminho existem pedras empilhadas, ficamos curiosos e perguntamos a nosso guia se haveria algum significado e eles nos explicou que isso se chama Marquita, que são pedras empilhadas pelo caminho, que segundo Jaime, servem para marcar as trilhas de determinadas pessoas.
 


Na estrada de subida para as Lagoas Altiplanicas, vimos formações rochosas diferentes e nosso guia nos explicou que elas se chamam Tobas vulcânicas. Na crosta terrestre, se abrem fissuras no solo e começam a sair lavas vulcânicas de seu interior. Esta lava ou toba, como chamamos, é muito frágil e branda e isso significa que não possui a temperatura ideal para se transformar numa rocha sólida. A mescla do material vulcânico com a sujeira da superfície produz uma rocha impura, formando muitos buracos, muitos orifícios como um queijo e isso significa que a lava vulcânica que saiu possuía muitos gases dentro dela e quando o gás esfria pela baixa temperatura da atmosfera, a lava também esfria e a gás é fica preso em seu interior e com os anos o gás vai desaparecendo e a forma da rocha fica desta forma. Depois, com os anos vem a erosão causada pelo vento e formando o que vocês estão vendo aqui.
Descrição de Imagem: Toba vulcânica

POSTAGENS REFERENTES A ESSA VIAGEM AO DESERTO DE ATACAMA:

1.    VIAGEM DE ÔNIBUS AO DESERTO DE ATACAMA